12.04
2012

Primeiro dia em Copenhagen

A Dinamarca acabou entrando no nosso roteiro só pq eu queria “perder o medo” e ver de perto como era um país Escandinavo, já que durante as minhas viagens de final de semana eu tinha planos de conhecer os demais países daquela região. E devo dizer que a impressão foi muito boa!

Tudo aquilo que ouvimos na tv sobre os países nórdicos é verdade, as cidades são super organizadas, limpas, o povo é um pouco fechado (mas isso não quer dizer que não sejam simpáticos), o país é super seguro, não passamos por nenhuma situação que tivessemos ficado com medo, e isso sem falar na beleza, e que beleeeeza.. as pessoas são realmente muito bonitas!

Chegamos na hora do almoço, e pra não perder tempo, logo depois de fazer o check-in e deixar nossas malas no hotel, saimos andar pela cidade.

Copenhagen é considerada a porta de entrada para os países nórdicos, é uma cidade pequena, fácil de se localizar e igualmente fácil quase ser atropelado por uma bicicleta. Bicicleta? Siiim, em Copenhagen elas são maioria, e além de cuidar os carros na hora de atravessar a rua, é muito bom ficar atento a elas também.

Depois de uma rápida caminhada, chegamos inteiros a nossa primeira parada: a Rädhuspladsen, a principal praça da cidade. Nessa praça fica a a Prefeitura da cidade, um prédio lindíssimo, com várias torrezinhas que circundam o seu teto, sendo que uma delas é gigaaaante e podemos vê-la de todos os lugares da cidade. E é justamente nessa torre gigante, no alto dos seus 106 metros, que fica um dos relógios mais famosos do mundo, o Jens Olsen’s World Clock.

Pesquisando pela internet, vi que era aberta para visitação, e lá fomos nos conhecer. A arquitetura interna é totalmente inspirada na arquitetura medieval, é um pouco diferente do que estavamos acostumados a ver até então.

Dali, seguimos caminhando pela cidade, passamos pela Strøget, uma das principais ruas comerciais  da cidade e é exclusivas para pedestres. Para os dinamarqueses, essa rua é considerada o maior shopping a céu aberto do mundo.

E meio sem querer acabamos encontrando o Rundetårn, uma torre super antiga, construída com o objetivo de ser um observatório astronômico, inclusive é o mais antigo da Europa que ainda está em funcionamento. Mas quem vê aquela torre por fora, não imagina que o seu interior é o que mais desperta curiosidade nas pessoas.

Pra ser bem sincera, não entendi pq a arquitetura interna chama tanto atenção, é bem simples, sem nenhuma decoração e não passa de uma rampa beeem larga em espiral. Subindo por essa rampa, paramos para ver uma Igreja (pois então, o que já estava meio estranho, ficou ainda pior.. ficamos sem entender como foi possível ver o interior daquela igreja e só acabamos descobrimos quando estavamos deixando o lugar, a torre é grudada nessa igreja, a Trinitatis Kirke.

Seguimos subindo a rampa, que hoje em dia tem atraido muitos turistas para visitar o lugar, pq o alto dos seu 35 metros de altura podemos ter uma boa visão de toda a cidade, inclusive conseguimos ver até a Ponte de Øresund, que liga a Dinamarca a Suécia.

Ponte de Øresund ao fundo

E ainda tivemos tempo de fazer uma paradinha, para um lanche rápido em um dos muitos cafés espalhados pelo centro da cidade, antes de seguir para Malmö.

Bruna Bartolamei
Siga-me

Bruna Bartolamei

Catarinense, mas já morou em Curitiba (8 anos) e em Edimburgo, a capital da Escócia (quase 2 anos). Criou o blog pra contar um pouco mais sobre como foi o seu intercâmbio na terra dos Kilts e das Gaitas de Fole, e também, sobre suas viagens pelo mundo.
Bruna Bartolamei
Siga-me
Postado em Copenhague, Dinamarca
Booking.com
Deixe o seu comentário...