13.09
2012

Codeshare – o que é, pra que serve e devo me preocupar com isso?

“Comprei a minha passagem com a companhia aérea X, mas na hora de embarcar o avião era da cia aérea Y”. Hoje em dia é muito comum passar por essa situação, não é mesmo? Basicamente isso é um codeshare!

Você compra a tua passagem com uma determinada cia aérea, escolhe o horário que é melhor pra você e reserva o teu assento, mas na hora de embarcar, o avião é de outra empresa aérea. Essa é uma situação que além de acontecer com uma certa frequência, é totalmente legal.

Mas pq as cias aéreas vem fazendo esses acordos?? Simplesmente pq elas querem ampliar o número de destinos oferecidos para os seus clientes. 

Então por exemplo, se a British Airways não voa para a cidade de Santiago no Chile, a sua parceira aérea LAN Chile voa. Sendo assim, ao comprar um bilhete saindo de Londres com conexão em São Paulo com destino final Santiago,  muito provavelmente o trecho Londres – São Paulo você irá voar com a British Airways, mas ao fazer conexão em São Paulo, o restante da viagem será operado com  a LAN Chile. E o melhor de tudo, você pode comprar todos esses trechos diretamente com a British Airways.

Muitas vezes o que acontece é que, o passageiro quer pq quer voar com uma determinada cia aérea, mas acaba não prestando atenção na hora de reservar o voo e somente no dia da viagem, ao colocar os pés no avião, vai perceber que vai ter que voar com outra cia aérea.

Então pra evitar surpresas, o ideal hoje em dia é ler com atenção todas as informações que aparecem na hora em que estiver fazendo a reserva de um bilhete.

Uma dica que deixo é: se na hora da reserva não estiver escrito de forma clara “esse voo é operado pela parceira aérea Y”, vai ser preciso ter conhecimento de um outro pequeno detalhe. Todas as cias aéreas são identificadas por duas letras ou por uma letra e um número. Alguns são obvios, como é o caso da American Airlines que é AA ou a British Airways com o seu BA, mas outras cias aéreas não receberam um código tão camarada, como é o caso da TAM com o seu JJ e a GOL que é identificada pelo seu G3. Então é sempre bom ficar ligado nesses códigos, pq eles vão estar presentes no número do seu voo.

Mas como saber qual código identifica uma determinada companhia aérea? É bem simples! É só jogar no google o nome da cia aérea, como por exemplo “cia aérea gol wikipédia”. Ao abrir essa página é só procurar pelo código IATA, no caso da GOL você vai ver que é G3. Então é só observar o número do voo, se ele for G39900, com toda certeza o seu voo vai ser operado pela GOL.

Pra quem não sabe, a IATA é o orgão que regulamenta todas esses pequenos detalhes que muitas vezes a gente nem percebe ou quando percebemos não entendemos muito bem o que eles querem dizer. Além deles pré determinarem os códigos das cias aéreas, eles também são responsavéis por conceder um código que identifique um aeroporto. Algums códigos são super obvios, mas outros não, como já deu pra perceber nos exemplos que citei anteriormente.

Quando essa situação do codeshare entra em ação, algumas pessoas acham que foram enganadas. Em um primeiro momento pode até ser, mas lembre-se que no site ou no email que a tua agência de viagem te encaminou via email, essa informações estavam ali e muito provavelmente quem não reparou foi você.

Mas eu comprei minha passagem em uma agência de viagem e ninguém me informou nada?!?! Então, claro que essa situação pode acontecer, ou melhor, poderia. Hoje em dia, se tua agência de viagem não te informar esse “pequeno” detalhe, muito provavelmente o Consultor de Viagens que te atendeu vai passar por no minimo desatualizado. Essa é uma informação que deve ser consultada previametne com o cliente, pq nem todos querem comprar passagem pela Air France e voar KLM, por exemplo.

E afinal, eu devo me preocupar com essa história de codeshare? No geral, a resposta seria não, não há realmente com o que se preocupar. A não ser que você realmente faça mesmo muita questão de voar com determinada cia aérea.

Independente de comprar a passagem com a empresa X e voar com a empresa Y, nenhuma delas vai te deixar na mão. Esses acordos existem somente pra aumentar a gama de voos oferecidos, ou seja, muito mais opçãos para nós passageiros.

Então, se você já passou por essa situação e não entendeu nadica de nada do pq disso, agora está tudo esclarecido. E se você ainda não passou por essa situação, que bom, assim esse post vai servir apenas como um alerta!

Ahhhh, só mais uma informação.. Um tempo atrás li uma reportagem que hoje em dia também estão sendo feitos acordos entre cias aéreas e empresas de trem. Quer um exemplo? A Qatar Airways tem acordo com a SNCF responsável pela parte ferroviária na França. Então, por exemplo, se você estiver indo de Doha até Nantes, o trecho aéreo vai ser entre Doha e Paris e de Paris até Nantes, na hora de comprar o bilhete no site da Qatar, você já pode comprar o passe de trem até Nantes. Legal, né?!?!

Sempre é bom inovar e com isso sempre quem sai ganhando somos nós, com certeza!

Posts relacionados:

Todos os posts sobre Dicas de Viagem

Siga o Blog Contando as Horas nas redes sociais:

no Instagram: @brunabartolamei

e curta nossa fanpage no Facebook: facebook.com/ContandoAsHoras

Bruna Bartolamei
Siga-me

Bruna Bartolamei

Catarinense, mas já morou em Curitiba (8 anos) e em Edimburgo, a capital da Escócia (quase 2 anos). Criou o blog pra contar um pouco mais sobre como foi o seu intercâmbio na terra dos Kilts e das Gaitas de Fole, e também, sobre suas viagens pelo mundo.
Bruna Bartolamei
Siga-me
Postado em Dicas de Viagem
Booking.com
  1. Raul Bartolamei 13/09/2012 | 15:54

    muito bom o texto… ;)

    • Bruna 14/09/2012 | 18:35

      legal!!! imagino que tenha ficado bem explicadinho! =))

  2. turista ocasional 14/09/2012 | 02:49

    Olá Bruna!

    Outra vantagem do Codeshare, é que mesmo que não se viaje com a companhia habitual mas com uma associada, podemos acumular na mesma milhas como se viajássemos com a companhia pretendida inicialmente, e onde fizemos a reserva. Nesse sentido, viajar como uma companhia que seja membro da star alliance (http://www.staralliance.com/pt/), tem as suas vantagens.

    Em relação acordos entre companhias aéreas e de comboios também se passa algo idêntico cá. Por exemplo a Tuyfly tem um acordo com a DB (Companhia de comboios alema), que permite pagar apenas 22€ pela viagem de comboio para qualquer destino na Alemanha, seja ele perto ou na ponta oposta do país, depois da viagem de aviao (https://www.tuifly.com/RetrieveBookingExtras.aspx?culture=en-GB).

    Beijinho

    • turista ocasional 14/09/2012 | 04:48

      Esqueci-me de referir que por vezes uma forma simples de saber se o voo é efectuado pela companhia aérea onde o reservamos ou se é em codeshare, é quando os voos tem escala, pois o aeroporto onde a companhia faz escala costuma ser único, no próprio país, pelo menos no espaço europeu.

      Por exemplo os voos da Lufthansa quando não são directos fazem escala no aeroporto de Frankfurt (aeroporto central na Alemanha), os voos da AirBerlin fazem escala em Palma de Maiorca, os voos da TAP fazem escala em Lisboa, os da Ibéria em Madrid, os da Air France em Paris, etc….

      Por exemplo se reservo um voo entre Munique e São Paulo, na Lufthansa e este em vez de fazer escala em Frankfurt faz escala em Lisboa, já sei que o voo será efectuado pela TAP (sei isso, e sei que vou passar por um “buraco negro”, pois o aeroporto de Lisboa é caótico e pródigo, em voos com escala, em não colocar as malas no mesmo voo dos passageiros e estas só chegarem no dia seguinte. Advertência extra: se o voo fizer escala em Lisboa aconselho vivamente a levarem na bolsa/mala de mão uma muda de roupa e tudo o que considerem essencial e que não conseguem passar sem isso como medicamentos por exemplo.)

      beijinho uma vez mais

      • Bruna 14/09/2012 | 18:47

        Oi turista!!

        Não sabia que a DB também fazia esse esquema de voo + passagem aérea. Legal hein! Pelo jeito essa moda tá pegando mesmo!

        Mas eu acho que Munique já tem voo direto pra São Paulo se o passageiro voar com a Lufthansa, ao menos tinha até pouco tempo atrás. Será que não tem mais essa opçÃo?

        Vixi, agora fiquei preocupada com essa história de conexão e das malas no aeroporto de Lisboa. Espero que eles estejam investindo nisso. Lembro de uma vez ter lido uma reportagem sobre o aeroporto de Heathrow, onde dizia que era o aeroporto onde mais se extraviavam as bagagens em toda a Europa. Eles montaram um esquema ótimo e desde então esse indice caiu consideravelmente. Normalmente quando eu e minha familia viajamos sempre fizemos escala em Lisboa quando o destino não for o Reino Unido. Não gostei de saber disso.

        • turista ocasional 15/09/2012 | 04:51

          Sim, a Lufthansa tem voo directo diário entre Munique e São Paulo e com um horário óptimo, porque é noturno.

          Mas ou porque esse voo já esta lotado para a data pretendida, ou porque está com um preço astronómico, convém ver outras alternativas.

          Em relação a achar que o aeroporto de Lisboa é um “buraco negro” o que referi acontece com mais frequência, quando o período de transbordo é curto. Não sei de nenhum caso em que as malas se tenham extraviado e não tenham sido recuperadas, mas são vários os casos em que só foram entregues aos passageiros no dia seguinte, o que é mesmo muito aborrecido. Quanto a estarem a fazer algo para melhorarem esse problema, sinceramente não sei se é o caso, apenas sei que tem uma atitude burocrática, ou excesso de zelo, que seria dispensável (como fazerem os passageiros passagem de novo pelos raios X quando estão numa viagem de escala, e como tal não saíram do aeroporto e não tiveram acesso ao exterior). Pessoalmente acho que o problema principal do aeroporto de Lisboa é estar a “rebentar pelas costuras” e precisar de ser expandido, mas não haver espaço para tal onde se encontra actualmente. E com o estado de crise em que está Portugal, o projecto de construírem um novo aeroporto está congelado.

          Bruna, acho que o importante mesmo é ter conhecimento e prevenir-se para essa eventualidade. Não há uma probabilidade de tal acontecer elevadíssima, mas quando acontece parece sempre o caos e ficamos com uma péssima impressão da qual dificilmente nos esquecemos.

          Beijinho

  3. Bruna 16/09/2012 | 19:25

    Eu fiz uma conexão em Lisboa vindo de Londres e não tive problemas com as malas, tudo chegou direitinho. Como vc disse, sempre é bom se prevenir e eu sempre tomo muito cuidado com o tempo em permanencia em um aeroporto durante uma conexao, geralmente deixo um espaço de tempo tem grande (4 ou 5 horas), pra nao me preocupar com isso.

Deixe o seu comentário...