22.12
2012

Londres: Teleférico Emirates Air Line

Londres é uma daquelas cidades cheias de coisas pra fazer e mesmo assim, a cada ano que passa sempre aparecem coisas novas pra visitar. Dessa vez, a mais nova atração de Londres atende pelo nome de teleférico Emirates Air Line, inaugurado em junho desse ano.

IF

O local escolhido para sua construção foi a região leste da cidade, sendo assim, o teleférico atravessa o rio Tâmisa ligando a O2 Arena (na margem sul) ao ExCel Exhibition Centre (na margem norte).

IF

Como eu tava no WTM, que estava acontecendo no ExCel Exhibition Centre, aproveitei pra dar uma fugidinha e fui conhecer o teleférico.

IF

A estrutura no geral já chama atenção tanto pela modernidade quanto pelo tamanho. Impressionante aqueles 3 pilares que sustentam os cabos por onde passam os teleféricos.

→ Comprando o ticket

O ticket pode ser comprado de três maneiras: nas máquinas, com o Oyster Card ou nos guiches de atendimento em ambos os terminais (sul e norte).

IF

Quem tiver o Oyster Card (como no meu caso), também pode usar. É só chegar em qualquer um dos terminais e se digirir direto pra entrada, passar o Oyster pra liberar a catraca e entrar na primeira cabine livre que aparecer. Muito simples!

Quem não tem o Oyster, deve ir nas máquinas ou no guiche de atendimento e comprar o ticket.

IF

IF

Obs.: quem estiver usando o Oyster Card (Oyster Pay as you go Fares), ganha um desconto no valor da tarifa. O valor fica em 3,20 libras cada trecho. Já quem não tem o Oyster vai pagar por cada trecho o valor de 4,30 libras (Boarding Pass Fares).

IF

→ Tipos de viagem

Existem dois tipos de viagem: por trecho (ao chegar do outro lado do rio Tamisa, dá pra sair do teleférico e conhecer a região) ou 360 Tour (que dá a volta completa, sem direito a descer da cabine na estação no outro lado do rio).

IF

IF

→ O passeio

Eu peguei o bondinho na estação Emirates Royal Docks – North, como já disse no inicio do post, apenas me dirigi a catraca, passei meu oyster e segui viagem. Na ida, eu dividi a cabine com mais dois rapazes britânicos (pelo sotaque).

IF

IF

Enquanto eles conversavam sobre a engenharia e como tudo foi construido, eu aproveitei pra escutar um pouco da história enquanto batia minhas fotos.

O passeio é bem rapidinho, em questão de 5 minutos eu já tava desembarcando no outro terminal, o Emirates Greenwich Peninsula – South.

O Parque Olimpico lá no fundo

O Parque Olimpico lá no fundo

A estrutura é impressionante, tudo é muito gigantesco, e nem poderia ser diferente. São três torres que permitem que as cabines circulem pra lá e pra cá. No ponto mais alto do passeio, o teleférico chega a 90 metros de altura.

Aeroporto London City

Aeroporto London City

Pra quem já teve oportunidade de andar nos teleféricos das estações de ski, é mais ou menos a mesma sensação, só que ao invés de montanhas cheias de neve, vemos Londres 360 graus!

O2 e Canary Wharf

O2 e Canary Wharf

As cabines são bem espaçosas e tem bancos em cada lado. Não é permitido ficar em pé durante a travessia. Tem um aviso bem grande na porta alertando os passageiros sobre esse detalhe.

IF

Então, como eu não tinha pego o ticket 360 Tour, eu pude sair da estação e aproveitei pra dar uma caminhada por ali. Saindo da estação, a pouquissimos metros fica o O2 Arena, uma arena multiuso (onde acontecem show, jogos de tênis, entre outros) e que tem um monte de restaurantes também. Já que tava ali, fiz um lanchinho rapido e voltei pra estação pra fazer o restante do trajeto.

IF

→ Vale a pena o passeio?

Quando eu cheguei no terminal pra pegar o teleférico, ele tava bem vazio. A maioria das cabines seguem indo e vindo vazias. A vista é legal, dá pra ver (e conhecer) uma area de Londres que normalmente a maioria das pessoas passam batido. Essa é uma area que está em constante construção e reforma. Lá do alto a gente não vê nenhuma das grandes atrações de Londres, mas alguma coisa dá pra ver bem de longe, como por exemplo a região de Canary Wharf, a The City e o Parque Olimpico. Também dá pra ver os aviões pousando e decolando do Aeroporto de London City. Dá pra ver a Thames Barrier, as estruturas que podem regular a quantidade de água no Tamisa, evitando assim enchentes e “só”! Claro que a estrutura toda que foi montada impressiona, mas no geral, eu acho que dá pra deixar o teleférico em segundo plano em uma viagem, principalmente quem estiver indo à Londres pela primeira vez!

Reparem nas histórinhas

Reparem nas histórinhas

→ Outras considerações

Quem não estiver pela região, pode chegar facilmente até qualquer um dos dois terminais do teleférico através do metro, DLR e barco.

IF

Um detalhe importante que o site do teleférico já avisa é que, se tiver chovendo muito ou ventando muito forte, o teleférico para de funcionar. Somente quando as condições climáticas votarem ao normal, o teleférico volta a funcionar.

IF

Funciona todos os dias da semana e dependendo da época (verão ou inverno) os horários de abertura e fechamento variam, então é sempre bom dar uma olhadinha no site pra não ter nenhum problema.

Obs.: Só como curiosidade, o custo da obra foi de 60 milhões de libras que foram pagas pela cia aérea Emirates. Então tá explicado o pq desse nome, né?!?! =)

Bruna Bartolamei
Siga-me

Bruna Bartolamei

Catarinense, mas atualmente morando em Curitiba-PR. Já morou em Edimburgo, a capital da Escócia por quase 2 anos. Criou o blog pra contar um pouco mais sobre como foi o seu intercâmbio na terra dos Kilts e das Gaitas de Fole, e também, sobre suas viagens pelo mundo.
Bruna Bartolamei
Siga-me
Postado em Inglaterra, Londres, Transporte público
Booking.com
Deixe o seu comentário...