25.06
2015

França: Épernay, a capital do Champagne

Um dos lugares mais visitados no Vale do Champagne é Épernay, uma cidadezinha de apenas 25 mil habitantes, que ficou mundialmente conhecida por ser o local onde se encontram as maiores produtoras de Champagne do mundo.

SONY DSC

A cidade poderia fazer parte de um cenário de filme europeu qualquer, com um rio cortando a cidade (rio Marne), com uma pracinha central, uma igreja, diversas lojinhas e restaurantes. Mas ela não é uma cidade qualquer, pois suas duas grandes atrações não permitiriam esse anonimato: os vinhedos que circundam totalmente a cidade e famosa Avenue de Champagne! 

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

A Avenue de Champagne é a principal rua da cidade e é onde estão as sedes das principais produtoras de Champagne de Épernay. Em 1 km de extensão estão maisons como: Moët & Chandon, Perrier Jouët, Pol Roger, De Venoge, Boizel, De Castellane, Mercier, Comtesse Lafond, entre outras.

SONY DSC

Obviamente, é humanamente impossível conhecer todas em um único dia. Sem contar que seria muito repetitivo e cansativo também. Então precisamos priorizar e assim, decidimos que iriamos visitar apenas duas maisons.

SONY DSC

Em primeiro lugar na nossa listinha estavam a Moët & Chandon (mas ela está fechada para reformas até o final desse ano) e a Perrier Jouët (infelizmente eles não abrem para visitação). Dessa forma, excluindo essas duas opções, depois de muito pesquisar, nós optamos por visitar: a Mercier e a De Castellane.

SONY DSC

O que eu levei em consideração nessas pesquisas foram as atrações diferentes que cada maison oferecia, a gente queria ver algo diferente, algo além de todas aquelas informações básicas sobre como o champanhe foi descoberto, como é o processo de fabricação, entre outros. E justamente essas duas maisons eram as que tinham esse diferencial.

SONY DSC

Mercier

Fundada na metade do século 19 por Eugène Mercier, essa maison de Champagne tinha uma meta: tornar essa bebida acessível a todos sem perder a qualidade.

SONY DSC

E esse plano ambicioso começou em Paris, na Exposição Universal de 1889, onde ele levou um barril de champagne de 20 toneladas e distribuiu para a população. Esse barril hoje em dia pode ser visto logo na recepção da Mercier. Super legal!

IMG_4997

A visita começa com a apresentação de um vídeo (com duração de no máximo uns 5 minutinhos) e depois a gente é levado para um elevador panorâmico (dica: entre o quanto antes e fique perto da janela) para descer mais de 30 metros de profundidade até chegar nas caves. Durante o trajeto de descida no elevador, vão aparecendo alguns cenários e personagens de cera que contam um pouco dos principais fatos da história da Mercier.

SONY DSC

IMG_8554

Ao chegar na parte subterrânea, a gente percorre aproximadamente 18 km de tuneis, onde estão armazenadas mais de 15 milhões de garrafas de champagne. Ao longo desse trajeto, além de ir observando as garrafas de champagne armazenas, algumas esculturas nas paredes e toda a logística de organização da parte subterrânea da Maison (com ruas e tudo mais!), a gente vai escutando o audio guia.

SONY DSC

IMG_8552

Ao final do passeio de trenzinho, somos encaminhados para a degustação. Existem três tipos de degutação: Founder’s (que dá direito a uma taça de champagne), Miss Mercier (com direito a duas taças de champagne) e a Golden Bubbles (com direito a três taças de champane).

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

Meu pai e meu irmão escolheram provar três taças, eu escolhi provar duas taças e a minha mãe não quis provar (sim, também é possível visitar, mas não é necessário participar da degustação!). O valor da visita varia de acordo com o tipo de degustação escolhida.

SONY DSC

SONY DSC

A visita com degustação e mais a visita a lojinha leva aproximadamente 1 hora. A Mercier faz parte do grupo LVMH, que junto com a Moët & Chandon, então entre as melhores produtoras de Champagne do mundo.

IMG_8574

SONY DSC

Ah, e ainda, pra quem gosta de fotografar ou ver vinhedos, apesar de ser ainda não estar perto da dada das colheitas, a Mercier tem seus vinhedos logo ali ao lado. Segundo a guia, eles produzem cerca de 50% das uvas usadas na produção do Champagne e o restante vem de produtores menores da região.

IMG_5041

IMG_8591

Mercier fica na 75, Av de Champagne. Abre somente nos meses de verão e tem opções de tour de hora em hora (com áudio guia em português!!), degustação e lojinha. Não há necessidade de reservar tour para menos de 10 pessoas. É só chegar lá perto do horário de inicio de cada tour, comprar o ingresso na bilheteria, pegar o áudio guia e aguardar as demais instruções sobre a visita.

De Castellane

Na parte da tarde nós fomos visitar outra maison, a De Castellane. Foi fundada no final do século 19 pelo Visconde Florens De Castellane. Segundo o nosso guia, essa marca é mais apreciada na França mesmo. É uma champanhe consumida principalmente pelos locais, principalmente pq ela tem um custo / beneficio / qualidade muito bom.

SONY DSC

SONY DSC

Essa champagne também ficou muito conhecida por causa do seu rótulo que carrega a cruz de St Andrew na cor vermelha, a mesma cor que tem a condecoração Ordem Nacional da Legião de Honra dada por Napoleão Bonaparte as pessoas que prestavam serviços a nação.

SONY DSC

Essa maison não é conhecida e nem vendida aqui no Brasil, mas ela tem um diferencial que chamou nossa atenção: é possível visitar o local de produção dos champanhes. O guia nos leva até a fabrica e conforme a gente vai passando pelas etapas do processo de produção, ele vai dando todas as explicações. É legal notar que em algumas etapas do processo é tudo automatizado, enquanto em outras, é necessario a presença dos funcionários para que tudo saia da melhor forma possível.

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

Então por exemplo, a gente passa pelos barris de inox ou carvalho onde o vinho está armazenado, também passamos pelas caves onde estão armazenadas as garrafas de champagne, depois seguimos para o local onde é colocado as rolhas nas garrafas, os rótulos, entre outros. Esse tour é super curtinho (só tem nas opções em francês ou inglês), dura aproximadamente uns 45 minutos e sério, é super legal!

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

E ainda, existe um museu bem pequeno, o Musée de la Tradition Champenoise, que conta um pouco da história do champanhe e da De Castellane. É legal observar que eles tem uma coleção bem interessante de posters antigos usados na divulgação da marca, que estão em exposição em praticamente todas as paredes. Tem uns bem legais!

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

E por fim, pra terminar a visita, é possível subir na Castellane Tower, uma torre de 66 metros de altura, que oferece uma vista 360 graus de toda a cidade e dos vinhedos do vale do rio Marne que circundam toda a cidade. A torre tem 237 degraus, mas a cada 20 – 30 degraus tem uma mini exposição de alguma coisa relacionada com a marca (garrafas, posters, fotos, entre outros), portanto, quando a gente vê, já tá la no topo da torre e nem cansou com a subida.

SONY DSC

SONY DSC

SONY DSC

E por fim, vem a parte mais aguardada do tour, a degustação. Nessa maison, eles servem apenas um tipo de champagne para provar.

SONY DSC

A De Castellane fica na 63, Av de Champagne, mas o acesso para fazer o tour é feito pela 57, rue de Verdun. Abre todos os dias, de março até dezembro. Tem tour guiado de hora em hora, seguido de degustação e visita a lojinha. O valor do tour + degustação é de 12,00 euros (valor de abril de 2015) e esse ingresso também dá direito de visitar o museu e subir na torre.

Outras atrações

Uma cidade com uma rua chamada Avenue de Champagne não precisaria ter outras atrações. De fato, Épernay não tem muito a oferecer além disso.

SONY DSC

Mas como todas as cidades da Europa sempre tem uma igreja bonitinha, Épernay também tem a sua, a Catedral Notre-Dame de Épernay. Apesar de ser sido destruida durante a Primeira Guerra Mundial, a igreja hoje em dia se encontra super bem preservada. O grande destaque são seus vitrais, sério mesmo, um mais bonito que o outro. Vale a pena dar uma paradinha ali no caminho de volta pra estação de trem.

SONY DSC

E se alguém resolver ficar hospedado por lá pra explorar a região, existem alguns castelos nos arredores, como o Château de Pierry e o Château de Montmort. Nos não visitamos nenhum, mas fica a dica!

SONY DSC

Dicas de restaurantes

Eu tinha separado 4 opções de restaurantes pra gente almoçar (La Table Kobus, La Grillade Gourmande, La Banque e Restaurant Chez Max), mas entre todas essas opções, a que a gente encontrou com mais facilidade foi o restaurante La Banque. Essa brasserie e também champagne bar está localizada num antigo edificio onde antigamente funcionava um banco. Tá ai o pq do nome!

IMG_8606

A decoração é bem moderninha, o atendimento é muito bom e agilizado e claro, quando na terra da champanhe, todo mundo quer provar algum prato que leve molho de champanhe. E foi justamente isso que eu fiz, pedi um frango ao molho de champanhe e pra acompanhar, vinho tinto nacional. Recomendo!

IMG_8604

IMG_8605

Como ir até Épernay

Existem diversas formas de ir de Paris até Épernay, mas nós optamos por ir de trem. Os trens partem de Paris da Garde de l’Est e vão direto a Épernay em questão de 1 hora e 15 minutos. Os trens são bem confortáveis e novos. Nesse trem existe a opção de escolher vagão de 1 ou 2 classe.

SONY DSC

Quem quiser saber mais sobre como andar de trem na França, com dicas de como comprar passagem, reservar assentos, entre outras infos, é só clicar aqui: Viajando de trem na França.

IMG_8529

IMG_8548

** Se você gostou das dicas desse blog e quiser dar uma força reservando hotel em Épernay através do site do Booking, para iniciar as pesquisas, é  só clicar aqui. Obrigada!!! **

** Importante: Ao reservar um hotel através do site do Booking aqui pelo blog, será repassado uma comissão ao blog Contando as Horas **

** Não sabe como utilizar o site do Booking? Aqui vai um post bem detalhado sobre como escolher e reservar um hotel. **

Posts relacionados:

Viajando de trem na França

Vale do Champagne: Informações práticas sobre a região e a história do Champagne

França: Reims, a cidade do Champagne e das coroações dos reis franceses

Bruna Bartolamei
Siga-me

Bruna Bartolamei

Catarinense, mas já morou em Curitiba (8 anos) e em Edimburgo, a capital da Escócia (quase 2 anos). Criou o blog pra contar um pouco mais sobre como foi o seu intercâmbio na terra dos Kilts e das Gaitas de Fole, e também, sobre suas viagens pelo mundo.
Bruna Bartolamei
Siga-me
Postado em Épernay, França, Vale do Champagne
Booking.com
Deixe o seu comentário...