21.08
2012

Um pouco de cultura escocesa: Clãs, Tartans e Kilts (e mais o Tartan Weaving Mill)

Ao pesquisar sobre a Escócia muito provavelmente vamos ler ou ouvir falar muito de três coisas: Clãs, Tartans e Kilts!

Ao mesmo tempo que tudo isso parece ser a mesma coisa, se buscarmos maiores informações vamos saber que apesar de todos estarem relacionados, seus significados são bem diferente.

Então, pra não ter nenhuma dúvida, aqui vai de forma resumida o significado de cada um deles: os kilts (as saias) são feitos com tecidos xadrez chamados tartan, que juntos são umas das principais formas de identificar os clãs escoceses.

E por falar em clãs e tartans, esse é assunto que é levando muito a sério na Escócia. Pra ter uma idéia, em 2008, o governo escocês criou uma lei que regulamenta a criação dos novos tartans.

Mas pq todo esse cuidado e preocupação até do governo? Pq os tartans são a identidade de cada clã escocês. Basicamente, ao ver um grupo de pessoas vestindo kilts, os escoceses já sabem só pela cor do tartan a qual clã aquele grupo de pessoas pertence.

Lógico que qualquer pessoa de qualquer parte do mundo pode criar e registrar o seu próprio tartan para identificar um grupo ou uma corporação ou uma entidade ou seja lá qual for o propósito de que alguém queira ter um registro de tartan. Mas para que tenha validade, ele precisa estar registrado no The Scottish Register of Tartans. Essa foi uma boa forma que o governo encontrou para preservar os demais tartans já existentes.

O “xadrez dos Kilts” são tão importantes para o país, que foi até criado um dia para celebrar tudo isso, o Tartan Day, que acontece sempre no dia 06 de abril de todos os anos. O evento acontece em várias cidades escocesas, bem como em outros país pra onde os escoceses imigraram, como caso do Canadá, EUA, Nova Zelândia e Austrália. E pq esse dia foi o escolhido? Pq é o mesmo dia que a Declaração de Arbroath foi assinada a muito e muitos séculos atrás.

Pra quem não sabe, a Escócia nunca foi conquistada pela Inglaterra, e uma das ultimas grandes batalhas entre escoceses e ingleses foi a batalha de Bannockburn (aqueeela mesma que é citada no “Hino da Escócia” onde o exercito escoces comandado por Robert The Bruce, manda o Rei Eduardo II da Inglaterra de volta pra casa). Sendo assim, após essa grande vitória do exército escoces, acharam que seria então conveniente a Escócia ter sua Independencia reconhecida e a forma que eles encontraram foi, enviar um documento, a Declaração de Arbroath,  ao Papa João XXII para que Robert The Bruce fosse reconhecido como o Rei da Escócia.

E pq eu resolvi começar esse post falando isso tudo? Pq o Tartan Weaving Mill reune muito bem tudo isso em um só lugar! Tanto que a maioria das pessoas chegam a chamar esse lugar de “Museu do Tartan”.

O Tartan Weaving Mill está localizado na Royal Mile, em frente ao Scotch Whisky Experience e “ao lado” do Castelo de Edimburgo.

Muito provavelmente quem passa por ali acha que esse lugar se trata de mais uma lojinha de souvenirs, o que de fato, ninguém estaria errado ao pensar isso. Só que o “segredo” desse lugar fica um pouco mais pra dentro.

Então, por trás dessa fachada com lojinha de souvernirs fica um excelente lugar pra conhecer e entender um pouco mais sobre os tartans e os kilts.

Tudo bem que o caminho mais parece um labirinto, sendo assim, de inicio vamos passar pela parte onde são vendidos vários produtos com o tradicional xadrez dos clãs escoceses (de todas as cores imagináveis), como cachecóis, mantas, meias, saias, blusas, entre outros.

Ao descer um lance de escadas, chegamos na “fábrica”.. ali é possivel ver algumas máquinas que faziam/fazem os kilts.

Ainda nessa parte, pra alegria dos turistas, é possível escolher um dos vários kilts de clãs escoceses, pra bater uma foto de recordação. Claro que as fotos não são gratuitas, mas fica uma sugestão pra quem não quiser/puder desembolsar algumas libras pra comprar um kilt de recordação. Essa foto com certeza vai ser uma lembrança no mínimo original da Escócia! E como os escoceses costumam brincar.. “o cara tem que ser muito homem pra usar saia”. E ai, vai encarar??

Hoje em dia, claro que os escoceses não andam de kilt pra cima e pra baixo pelas ruas de Edimburgo. É  bem frequente a gente ver pessoas ganhando um dinheirinho vestindo os famosos trajes escoceses e tocando gaita de fole em várias partes da cidade, principalmente na Royal Mile. E eu canseeei de ver grupos de pessoas no sábado ou domingo de manhã saindo ou indo pra estação de trem vestindo kilts, muito provavelmente eles estavam indo a algum casamento pela região. É tradição na Escócia os homens casarem usando Kilt. Deve ser no minimo interesante ir a um casamento escoces, os homens de kilt e as mulheres de vestido!

Mas voltando ao assunto, nessa ala também tem uma parte dedicada aos Kilts que foram produzidos ali. Tem muitas opções de cores, tipos de terninho, acessórios e todos os apetrechos necessários para montar um look tipicamente escoces. Vale a pena dar uma olhadinha!

Ainda tem a parte que eles montaram uma espécie de um mini-museu que conta um pouco mais sobre os tartans, os kilts e os clãs escoceses ao longos dos ultimos séculos.

Também é possível descobrir algumas curiosidades que estão diretamente ligadas ao processo de produção dos tratans, desde a obtenção das lãs de ovelha até como se fazer um Kilt. Também podemos saber um pouco mais sobre um dos tartans mais antigos do mundo, o Falkirk Tartan que data do ano de 250 d.C. Achei bem interessante!

Se ainda tiver sorte, é possível ver o Mel Gibson na saída, arrecadando dinheiro pra alguma instituição de caridade.. =)

Num dia chuvoso (o que é beeeem frequente), vale a pena passar algumas horinhas por lá!

O Tartan Weaving Mill fica na 555, Castlehill, na Royal Mile. Abre todos os dias das 09:00 até as 18:00. A entrada é gratuita.

Postado em Edimburgo, Escócia